quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Reflexo das Eleições para o Governo


terça-feira, 9 de outubro de 2012

Promessas antes, desculpas depois



Assim se encerra mais um capítulo da história política goiana e damos início à leitura de uma nova página. Entremeio aos comentários, existe os que afirmam: “eu falei que ele ia ganhar” ou os que lamentam: “eu estava confiante na vitória.”

Neste emaranhado de conclusões dos eleitores, estão os candidatos. São deles as melhores análises sobre o pleito. Hoje, posso tranquilamente, destacar um destes políticos que apresenta uma gama de desculpas interessantes. Jovair Arantes (PTB), o candidato sem bigode, confirmou que ficaria sem prefeitura há bastante tempo. (?) Avaliando como “uma campanha que não pegou”, lideranças que compunham a chapa “Goiânia 24 Horas” tocam suas vidas.

Para o moço sem bigode, sobraram os enfados de justificar os reais motivos de sua derrota. Ou melhor, não irei falar derrota do Jovair. Acho deselegante. Vou mudar o tom. Melhor dizer: “A cocada de Paulo Garcia”.

Pois bem, depois da “cocada de Paulo Garcia” no cucuruti do alto da senagoga do moço sem bigode, o derrotado nas urnas se conforma e tranqüiliza seus eleitores. Afinal de contas, isso é uma coisa mais do que normal em uma disputa política. Jovair parece estar bem e não tem cara de quem esteja sofrendo, pelo menos por fora, por não ser o político que assumirá a cadeira do Paço Municipal em 2013.

Com uma frase singela e impactante ao mesmo tempo, o desbigodado criou uma frase tocante e descolada: “Meu nome não encaixou”. Acredito que essa frase pode se tornar até um jargão. Se saiu bem...se saiu muito bem!

O GoiâniaMed foi um sucesso de boas intenções. Uma promessa de campanha interessante. Mas não agradou alguns usuários da “capa preta” da Lei. O programa foi encaminhado para UTI política das promessas infundadas. Jovair perdia então, um dos carros chefes de sua campanha fria. Realmente posso dizer que foi uma campanha fria já que a do vencedor, de cocada, foi morna. Paulo Garcia, o menino sorridente da prefeitura, até pouco tempo antes do início da campanha, eu mesmo acreditei que levaria por WO. Estava faltando candidatos para a disputa. De uma hora para outra, uma penca deles brotaram diante de suas legendas. Até os surreais Pantaleão e Rubens Donizeth deram o ar da graça. Paulo pôde gargalhar.

Longe destas coisinhas corriqueiras, sem importância, mas bem longe mesmo, estava o presidente de honra do PSDB. Ilustríssimo senhor, Nion Albernaz. Um dos nomes máximos do PSDB goiano. Um dos adorados da política deste quinhão de Centro-Oeste ficou lá. Mas hoje ele reapareceu. Nion disse que a campanha teve problemas. Usou na frase de impacto, o lance de “nós”. Aquele da primeira pessoa do plural, mas eu acho que ele deveria ter dito “eles”. Assim ficava mais claro que ele estava falando mesmo do moço sem bigode e de seu vice, Francisco Júnior.

Enquanto Francisco Júnior quase ficou resfriado pela “barreira de gelo” que ele afirma ter havido, o mestre Nion continuou a fazer suas ponderações. Desta vez foi a hora das desculpas, justificativas e culpados. Adivinhem quem foi o culpado desta vez...

Para facilitar na busca pelo algoz da campanha de Jovair, pensei em três nomes para ajudar vocês: Bartô Galeno, Ivan Petterson e Carlinhos Cachoeira. Qual veio primeiro em sua cabeça?

Mesmo de dentro da Papuda, o contraventor mais famoso do Brézil, com os amigos mais honestos e bacanas de Goiás, foi o culpado, pelos lábios de Nion, pela derrota do Jovair. Bacana não é mesmo?

Cachoeira, o menino que é mau enquanto todos são bons, influenciou diretamente na cocada de Paulo Garcia no candidato apoiado pelo governo do Estado. Por falar em governo ou governador, eu mesmo apenas o vi uma única vez, no horário político do PTBista. Não nego que fiquei surpreso, pois a referência da simbologia política do estado, com toda sua ilibação, honestidade e sorriso Colgate, apareceu na campanha para prefeito da capital. Depois falam que os interioranos são inocentes. Mas no interior, teve candidato que não se ligou ao governo nem mesmo em santinho.

Jovair não colou, Francisco quase se resfriou, Nion criticou, Marconi vazou, Paulo ganhou, e ainda vão dizer que o povo se enganou. Agora o “não-prefeito de Goiânia” disse que vai continuar trabalhando. Vai cobrar as coisas que Paulo disse que faria. Talvez seja a única coisa que lhe resta neste momento. Mas fica uma dúvida: como ficará as bases do governo depois destas eleições? A oposição conseguiu eleger cerca de 100 prefeitos no estado. Jardel não é ainda, o prefeito de Catalão e tem gente criticando a “ciranda-cirandinha” na presidência da ALEGO.

Os efeitos das ações do empresário Carlos Augusto Ramos alcançaram uma larga abrangência. Da vida rica e influente para a desgraça da moral dos políticos e das doações de campanha. Um pleito pobre e sem graça. Uma campanha amedrontada e esguia. A violência política este ano dominou as principais manchetes do Estado. E a CPMI voltará com Leréia. Pelo visto, os efeitos da enxurrada, não irão acabar aqui. Nossos políticos foram sangrados. Mesmo depois de esbravejarem e jurarem inocência, uma coisinha chamada “povo”, começou a dar sinais de insatisfação. O estado voltará para o epicentro das investigações de escândalos, o governo irá agonizar muito ainda e a Eliane Pinheiro estava junto com o Jovair desta vez. Sem radinho...

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Tulio Isac "exije" seis balaços para bandidos


Nada poderia ser mais humano do que a atitude de Tulio Isac, que não sei por qual motivo, é líder do PSDB na ALEGO. Talvez seja algum tipo de estratégia de auto-flagelação, colocar um ser vivo, talvez ainda não catalogado pela "biolojia" em
 um cargo como este. Pelas falas contundentes do tucano anencéfalo, ele quase que "exijia" a pena de morte para os que andam às "marjens" da Lei.


Não digo que os Direitos Humanos sejam assim, tão funcionais. Mas instigar a violência ao mesmo tempo que desqualifica os agentes de segurança pública, colocando-os quase que com a obrigatoriedade de serem assassinos executores, foi no mínimo, uma asneira de imensa "injenuidade". Sr. "Tulio Ijac", rotanzeiro não é assassino e talvez o ilustre desconheça o tipo de treinamento e conhecimento que esses homens recebem. Talvez. Mas com certeza, o senhor tem um imenso conhecimento de termos, idéias e colocações descabíveis. 


Os comentários do líder tucano da ALEGO, "surjem" em um dos momentos mais delicados de nossa política. Mesmo para um frango de inteligência modesta, o comentário de que a polícia deveria matar com seis "balaços" lhe caiu bem. 


Ciscando para fora do terreiro, se para Tulio Isac, bandido bom é bandido morto, o que deveria ser feito com políticos burros? Mesmo assim, ainda afirmo que os direitos humanos é apenas figurativo. Caso tivesse um expressão significativa, estudaria uma forma de fazer com que o tucano se retrata-se. Mas... tem gente que acha isso bonito.

terça-feira, 26 de junho de 2012

“E no Goiás...”




Somente com uma grande jogada de mestre, as coisas em Goiás poderão mudar os rumos. Ou melhor, para quem acredita em milagres, essa seria uma excelente hora, para que um acontecimento celestial desses acontecesse na vida de alguns que estão passando noites em claro.

Com os sucessivos episódios calamitosos, em que o PSDB tem se envolvido, até mesmo para os mais adestrados defensores, está difícil segurar todas as rachaduras do dique aparentemente, não irá suportar por muito mais tempo, toda essa pressão que tem sofrido. Mesmo que tentem tapar os buracos e evitar os vazamentos de maneira esdrúxula, a esfola do poder goiano é diária.

Depois de ter tentado encarnar algum tipo de “herói” antecipando-se à sua convocação pela CPMI do Cachoeira, Marconi, o rapaz do discurso bonito e senhor do tempo dos parlamentares, deixou os membros um tanto quanto mais curiosos sobre as ilações de seu nome e associações ao nome de Cachoeira, o empresário.

O depoimento de Alexandre Milhomem, o arquiteto que foi contratado para fazer pequenas mudanças na casa temporária de veraneio do Sr. empresário e sua digníssima esposa, a loira Andressa, colocou alguns pontos de interrogação sobre as palavras proferidas pelo líder maior do PSDB goiano em seu depoimento. O maior choque comparando os depoimentos de Milhomem e Marconi são referentes às datas que sugerem que o imóvel já contava com a visitação freqüente e aparente propriedade do casal. O que demonstra indícios de que a bem-dita casa, havia sido “negociada” antes da data garantida pelo governador.

Um pouco mais cedo, antes do depoimento do arquiteto na CPMI, foi a vez do depoimento de Wladmir Garcez, tido como um dos tentáculos de Cachoeira nos seus “negócios empresariais”. Garcez é o mesmo que não quis falar na CPMI, mas abriu o verbo na CPI da ALEGO. Essa CPI, conforme me foi confirmado por um tucano de rapina, membro da mesma, é um contrapeso à CPMI que foi criada, exclusivamente, como ponto de apoio ao governador do estado. Ou seja, mais circense que a nacional, a CPI goiana não possui fundamentos lógicos ou transparentes.

Garcez reafirmou que o jornalista Luiz Carlos Bordoni, estava utilizando de métodos não muito ortodoxos, aproveitando de supostas ligações a Demóstenes, quase cassado, para conseguir patrocínios em cotas consideráveis que viria do bolso do bicheiro-empresário, Cachoeira.

Novamente foi utilizada a tática de “antecipação” por parte dos citados e dos envolvidos na Operação Monte Carlo. A todo instante, Garcez tentou desqualificar Bordoni, uma vez que pareceu se sentir à vontade para verbalizar diante da bancada goiana. Um fato estranho, pois na mais importante, o jovem comediu as palavras e declarações de tal maneira, que no depoimento do governador, o mesmo se assegurava, a todo o momento, embasado no que Garcez havia dito. Complexo não é mesmo?

Porém logo pela manhã, o jornal O Popular trazia uma colheita interessante. Em suas páginas figuravam palavras contundentes de uma empresária, laranja-falante, que deu mais uma apimentada no molho que parece que irá cozinhar algumas pessoas, políticos e cargos.

Em um dia de surpresas, onde tivemos uma laranja-falante, um comedido-sem-travas, um ex-parceiro chamado de jornalista-louco, um grego no molho tártaro, um arquiteto sem importância que virou a Scania na contra-mão das palavras belíssimas do governador, sugiu até um major que disse ter recebido ordens para deixar os jogos ilegais “de boa”.

Segundo o major da PM Uziel Nunes, houveram ordens vindas do secretário de Segurança Pública, como publicado pelo Jornal Opção neste link http://www.jornalopcao.com.br/posts/ultimas-noticias/major-afirma-que-recebeu-ordens-para-nao-coibir-jogos-ilegais

Com tamanha fragilidade, negada por alguns poucos dentro do ninho tucano, eis que surgem comentários mornos e sem tanta animação de alguns remanescentes, sobre o nome do próximo a ser sacrificado pela legenda. Agora como indicado, pelo partido e não pela base, o deputado Fabio Sousa está sendo preparado para o rolete. Convidados para a festa afirmam que ele é o melhor nome e que sempre apostaram nele. Mesmo sendo bonitas as palavras, admito, na minha ignorância, que não entendi se ele é o melhor, por qual motivo teria ficado por último na escolha.

As pessoas que exaltavam Leonardo Vilela, depois João Campos e que cogitaram um outro nome inexpressivo para a disputa ontem, são os mesmos que de sorriso amarelo, enaltecem a suposta pré-candidatura de Sousa, que ao que parece, ainda precisará de aprovação da base. Um balaio de gatos que mostra o quanto o partido se fragilizou nestes últimos meses de holofotes. Isso soa mais como uma espécie de participar apenas por participar. Coitado do jovem político em um lançamento casual, que figura ter sido feito, apenas para não ser mais um nome natimorto.

Em um estado revirado como está Goiás, até os ditados tomam forma contrária. Dizem que deve-se aproveitar a oportunidade de ficar calado em muitos casos. Mas para a Dona Íris, ela perdeu uma ótima oportunidade de falar o que era preciso. Já que sua “ética” não foi o suficiente para que a CPI da ALEGÓRICA ALEGO deixasse de pedir a quebra dos sigilos de Íris Rezende e Paulo Garcia.

Goiás é como os artistas Patati e Patátá. Aqui tudo está sendo feito para sorrir e brincar. Vergonha alheia, pouca é bobagem! 

quarta-feira, 20 de junho de 2012

O Vanderlan veio, mas já foi...



Não durou muito a união do ex-prefeito de Senador Canedo e empresário Vanderlan Cardoso e o PMDB. Pouco mais de um ano após ter se unido ao grupo, o empresário entregou nesta quarta-feira, 20, sua carta de desfiliação da legenda. Após as eleições para o governo do estado em 2010, Vanderlan deixou o PR e se filiou ao partido Irista.

Durante esse período, circulou por várias cidades goianas, e alimentou a expectativa de ser o nome certo para 2014, em mais uma disputa eleitoral pela busca da cadeira verde. No entanto, já era esperado, há muito tempo, a sua asfixia partidária, desde quando a possibilidade do romance cogitou ser feita.

Vanderlan buscou dentro do partido, um espaço maior e o apoio do grupo PMDBista, para se lançar candidato ao governo de Goiás no próximo pleito.  Porém, ao que tudo indica a única coisa positiva que pode ser sinalizada, foram apenas andanças pelos municípios goianos, articulando propostas que não seriam para sua própria candidatura. Ou seja, o político perdeu um ano de trabalhos, dentro de uma legenda que com certeza, pretende lançar novamente o nome de Íris Rezende como governador.

Apesar dos desencontros, é pouco provável que Vandelan não soubesse que este seria um risco que correria ao entrar no grupo. O PMDB é um partido tradicional e um dos maiores do estado e do Brasil. Em Goiás, segue sob a regência da batuta de Íris há décadas. Existem fortes rumores de que outro nome cotado para 2014 no partido, seria o de Dona Íris, atualmente deputada federal. Deixando claro que o empresário não era visto nem mesmo, como a segunda opção pelos correligionários.

Estes boatos ou fatos podem ter exercido um papel de peso na decisão de deixar a sigla e tentar outros vôos. Há quem diga que Vanderlan sai magoado com Íris. Dentro do partido, as primeiras informações, mostravam que alguns membros estavam convictos que Vanderlan, não teria feito em sua curta estadia, nada que pudesse aglutinar apoio de seus pares para fortalecer a propositura de seu nome naquilo que buscava.

Uma das opções apontadas pelos donos da casa, é a de que o empresário não teria “aberto os bolsos” para a defesa das “causas” partidárias. Independente dos comentários, reais, fictícios ou não, tudo leva a crer em um perfeito estado de desarmonia entre os envolvidos. Afirmam que Íris havia prometido total apoio a Vanderlan, quando o mesmo era enamorado a compor o primeiro escalão do grupo.

A notícia do desligamento deixou alguns membros de partido em uma espécie de “frisson” que soou descaradamente artificial. Membros e simpatizantes do principal adversário do grupo o PSDB, cogitaram o nome do ex-membro durante todo o dia. Assim como já acusavam Íris Rezende de exercer o “coronelismo” partidário há mais de 50 anos.

Neste aspecto, não há muito que difere PMDB e PSDB no estado. Sem dúvidas, o tucano Marconi Perillo e Íris Rezende, são os dois maiores nomes da política goiana em relevância nacional, juntamente com o quase finado político e senador Demóstenes Torres, sem partido. Marconi, que na juventude, foi membro entusiasta do PMDB, herdou muito da “maneira de fazer política” de Íris. Quase uma costela de seu criador. Também é notório que os dois partidos, sofram da mesma doença, o “Eucaliptismo Político”. Há bastante tempo não surgem nomes promissores nas duas siglas. Quando há alguma aposta nova, logo são abortados prematuramente.

"Neste um ano de PMDB, não tenho nada do que reclamar.” A afirmou Vanderlan, que disse ainda ter definido sua saída de maneira pacífica com Íris Rezende. Mesmo que sua conversa e decisão de partida tenha sido pacífica, muitas pessoas nas redes sociais parecem querer apimentar os comentários, fazendo ilações de uma hipotética turbulência nessas águas.

Alguns tucanos afoitos chegaram a semear boatos de que ele se aliaria à base de Marconi, sorrindo respondeu: “Estamos num projeto de oposição ao governo”. Isso machucou tucanos, como um balde de água fria nos ânimos e nos comentários, que pudessem existir sobre a possibilidade de união a simpatizantes da sigla. Vanderlan tende a decidir ainda entre dois partidos para filiar-se, o PSC e o PDT. Pelo visto, o projeto de disputa em 2014, continua latente em seus ideais e disse que sua saída o deixa ainda mais animado para a disputa.

Enquanto tucanos afirmam que Íris não quer largar o “osso” e comemoram a perda de um membro do PMDB, os ex-anfitriões garantem que ele sempre teve as portas mais do que abertas na legenda. Pelo visto, os boatos e justificativas estão longe de ter um fim, mas já tem gente de olho em uma suposta dobradinha entre Vanderlan e Junior Friboi, que agora entra na conversa, como uma possibilidade futura. Resta esperar. 

terça-feira, 19 de junho de 2012

Goiás e seu governo vampírico




Jamais em sua história, o estado de Goiás esteve tanto tempo nas mídias nacionais como agora. Com desenrolar de um incontável número de denúncias, nós, que éramos vistos como caipiras, agora somos vistos como o maior produtor de corruptos do Brasil.

Com a descoberta de Carlos Augusto Ramos e seus negócios, o contraventor que o governador goiano insiste em chamar de empresário, passamos a participar como foco central do assunto que ainda não tem data definida para acabar. Muito pelo contrário, pois devido ao trabalho de “forças misteriosas”, tentam de toda maneira, estender ainda mais esse assunto. Uma prova disso foi o adiamento da reta final, que poderá cassar ou não o senador sem partido, Demóstenes Torres.

Demóstenes foi um paladino da moral e da ética, que ele mesmo esqueceu, caindo no Tártaro que subservientemente se sujeitou a prestar aos interesses de pessoas que comandavam, de maneira peculiar e artística, alguns setores goianos e brasileiros, que iam além das fronteiras do que se pode chamar de empreendedorismo. Era este senador que chamava o contraventor de “professor”.

Outro que conheceu seu calvário, foi o governador tucano, Marconi Perillo. O rapaz da camisa azul tem há tempos, motivos para não dormir direito. Sua imagem tem sido esfolada diariamente. Não é possível mensurar ao certo, o tamanho das feridas provocadas e nem mesmo o comprimento das tiras de couro do lombo que lhe tem sido arrancadas. Mesmo com um sorriso inquieto, o governador não consegue mais disfarçar seu verdadeiro humor.

Quando se fala de humor em Goiás, jamais devemos nos esquecer, da cômica e hilária CPI que foi deflagrada pela Assembléia Legislativa de nosso quinhão de terra do cerrado. É sério! Sabe aquela história de “rinha de galos”?

Sem motivos lógicos aparentes, a não ser sua criação como forma de tentar blindar o governador e intimidar opositores de seus desfeitos, a CPI da ALEGO mostra o quanto nossa política é tratada com cinismo. Nos seus autos supositivos, ela tentaria “desvendar” os mistérios da Delta. Aquela empresa famosa e rica, que agora ninguém mais conhece e nega que já conheceu algum dia ou que teve qualquer tipo de ligação com seus negócios.

Muitos nomes já foram citados na outra Comissão. A famosa CPMI do Cachoeira. Que diferente da goiana deu sinais iniciais de que seria algo mais ou menos sério. Nesta CPMI, tentou-se enfiar goela abaixo, o belíssimo discurso do governador como a mais pura e única verdade. Não deu certo. A estratégia de sufocar o tempo dos parlamentares foi percebida de imediato. Não adiantou nem mesmo o coro de palmas adestradas, que a claque circense de apoiadores do governo puxava efusivamente, como se o ambiente fosse de algum tipo de casa de shows.

Tentaram, mas não deu certo. Existem os mais amorosos que acreditaram com alguma gorjeta ou débito na casa, que o discurso disfarçado de propaganda política de um estado, que nós goianos desconhecemos, tenha sido a nona maravilha do mundo.

Não conhecemos esse estado das “maravilhas”, senhores que fazem nossas Leis e zelam pela nossa imagem. O que conhecemos é uma realidade diferente da que as propagandas em horário nobre, que enxugam cofres de um estado envergonhado, tentam mostrar a todos o instante e a todos os dias. Conhecemos um governo intimidador e narcisista, que acredita que a justiça é apenas uma arma camuflada, para espalhar processos contra aqueles que têm coragem de se oporem contra as ilusões criadas, ou por aqueles que simplesmente, se atrevem a narrar os fatos como eles são.

Vivemos em um lugar, onde a oposição se coloca como ética, mas deixa passar a oportunidade de mostrar que realmente trabalha como tanto diz em suas oratórias. Um estado que se utiliza de votos de eleitores, para transformarem uma assembléia legislativa no quintal de suas casas. Com CPI’s que não servem para nada, a não ser para envergonhar ainda mais, cidadãos que vivem sob a custódia dos interesses de poder de grupos que passam a ser fragilizados pela própria ganância de poder.

Nossos líderes se tornaram vampiros do oportunismo e da comodidade de apostarem na cegueira coletiva. O Palácio das Esmeraldas agora é um mausoléu, que abriga seres que passaram a ter medo da luz. Que preferem não serem vistos, mas que não se contentam. Que são capazes de se tornarem “ambientalistas”, de uma hora para outra, apenas para tentar mostrar que está tudo sob controle. Que nada aconteceu.

Conseguiram fazer com que os goianos, fossem ridicularizados até no depoimento do primeiro governador da história a depor em uma CPI, com as palmas dos ascetas, que buscavam apenas notoriedade da espetacular testemunha convocada.

Os rumos das teatrais CPI’s, podem ser supostos mas não garantidos. Mesmo assim, os efeitos delas sobre as costas dos envolvidos, será um enorme fardo que terão que carregar durante muito tempo. E seria muito bom, que nossos eleitores goianos, não se esquecessem dos acontecidos tão facilmente desta vez.

Os rumos de Goiás estão sendo dirigidos por vampiros e zumbis que estão próximos ao limiar de suas mortes políticas. Seres que buscam a qualquer preço se manterem vivos, mas que os próprios sentem a dor do sol que lhes queima a pele da vaidade. Assim como os goianos que tem o espírito aquebrantado pela vergonha que nos proporcionam gratuitamente. 

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Goiás: um governo sem hélices


Com a crescente queda na preferência do eleitorado, o governo de Marconi Perillo (PSDB-GO), dispara a sirene de alerta para tentar colocar a sua administração em um uma rota segura de colisões. Os números revelados pela última pesquisa Serpes/O Popular, mostraram que o tucano em seu terceiro mandato à frente do estado, atingiu quase 50% de rejeição entre os entrevistados.

Os números negativos, segundo a opinião pública, são conseqüência da Operação Monte Carlo, onde o governador é citado em vários momentos, nas gravações das escutas realizadas. Nos últimos quarenta dias, Marconi tenta dividir seu tempo no cumprimento de sua agenda e as defesas contra suas supostas ligações com o contraventor Carlinhos Cachoeira. O escândalo tem sido apontado como o maior fator de desgaste de sua atual gestão.

Com os alarmantes números de “ruim e péssimo”, a aeronave do Palácio das Esmeraldas demonstra sinais claros, de que seu vôo enfrenta várias tempestades e turbulências ininterruptas. Isso provavelmente, seja o motivo do aspecto cansado e irritado do governador, que a todo instante, sofre com as ilações de seu nome a supostos indícios de corrupção e com as acusações que aflige grande parte de seu secretariado.

De fato, os dados desta pesquisa se distanciam e muito, dos levantamentos feitos durante suas duas administrações anteriores. Em 2012, Marconi atingiu um dos piores índices de rejeição da história de um governador em Goiás, se não o pior. A situação ainda é agravada devido ao crescente número de crimes realizados no estado. A segurança pública de Goiás, também tem batido recordes nos casos de homicídios e furto e roubos de veículos.

A resposta do eleitor goiano, diante tamanhas surpresas, resultou em 34,5% dos entrevistados, avaliando o governo como péssimo e 14,4%, ruim. Essas opiniões revelam 23,3 pontos porcentuais a mais, tendo como base uma avaliação da gestão estadual realizada há sete meses, também pelo Instituto Serpes. Na época, Marconi já havia atingindo o índice, considerado igualmente elevado, de 25,6% de reprovação.

Outro aspecto que chama a atenção é o número da rejeição do governo no ponto de vista do eleitorado feminino. As mulheres reprovaram o tucano com 50,7%, e entre os jovens de 16 a 24 anos, o porcentual de 32% para péssimo e 27,2% de ruim somou 59,2% de insatisfeitos.

Em sua defesa, diante dos números da pesquisa, o tucano declarou que tudo isso é reflexo de ações tendenciosas da imprensa local e nacional. Segundo deixou claro, ele tem sido alvo de perseguições que dificultam o seu trabalho. Esta não seria a primeira vez que o governador aponta diretamente a imprensa como responsável pelos “rasantes instáveis” de seu governo. Em outras ocasiões, aproveitou oportunidades para minimizar os levantamentos negativos sobre sua administração e sempre que possível, envolve abertamente, supostos interesses de grupos de comunicação na “dês-construção” de sua imagem e a expectativa de sua queda.

As declarações estão na contramão dos anos anteriores. Uma vez que Marconi, sempre soube fazer uso das suas relações positivas com diversos segmentos de comunicação e seus profissionais. Pelo visto, não andam falando a mesma língua.


POUSO FORÇADO

Desde que assumiu o governo em 2011, Perillo deu sinais claros de uma possível intenção de trilhar um caminho que o levasse à disputa à presidência da República em 2014. Aparentemente, os acontecimentos que passaram a açoitar seu terceiro mandato, o obrigaram a redobrar a atenção a ser dada a Goiás.

Durante o início de seu governo até agora, já são duas as operações da Polícia Federal que causaram efeitos diretos ao estado. A primeira delas, a Operação Sexto Mandamento, levou à prisão de vários policiais goianos acusados de cometerem homicídios e ilícitos, que acarretaram em uma grande ranhura na imagem da corporação militar e começou a por a Secretaria de Segurança Pública, do secretário Furtado Neto, em “xeque”.

Mais danosa que a primeira, está sendo a Monte Carlo, que chegou ao ponto de ter que abrir uma CPMI para averiguar as denúncias e avaliar as provas sobre um esquema mafioso do bicheiro Carlinhos Cachoeira em diversas esferas de atuação, inclusive sobre as alegações da formação de um “governo paralelo” no estado. Onde esta estrutura, teria puxado para sua rede, um grande volume de políticos e empresários.


ROTOR DE CAUDA

Diante de uma série de cobranças feitas ao governo, que vão desde promessas de campanha (ditas como não-cumpridas), até problemas estruturais de departamentos vitais à sociedade como é o caso da saúde e segurança, os professores da rede estadual de educação promoveram uma greve, repleta de impasses, que durou mais de cinqüenta dias. Sem haver progressões nas negociações, o fato foi resolvido, surpreendentemente, poucos instantes antes, da Operação Monte Carlo começar a fazer revelações corrosivas, no coração do Brasil.

Outro ponto a ser observado como agravante para a crise, foi o constante e crescente número dos movimentos populares que exigem sua saída do governo. Estes movimentos também, assim como a imprensa, sofreram retaliações e desprezo por parte dos palacianos. Apontados como; “não representantes da opinião da maioria”, os integrantes do #ForaMarconi foram apontados como arruaceiros e marginais, por grande parte dos que defendem o governador. Mesmo assim, o movimento cumpriu sua 3ª edição e prepara-se para ir novamente às ruas da capital.

Somando todos estes fatores como os escândalos sobre possíveis ligações do 1º escalão do governo com corrupção, queda de diretores e da chefa de gabinete do governo, greves, CPI’s, aumento de crimes e crise na saúde, aliados à promessa de uma paralisação dos delegados do estado, tudo leva a crer que os números da última pesquisa, tendem a levar a aeronave palaciana a um vôo mais raso, premeditando uma possível queda provocada por esta desestabilidade que parece tomar conta das ações desencontradas e desordenadas de toda a sua tripulação. Fazendo Marconi e equipe, girarem no próprio eixo, sem terem condições de se movimentarem seguros por um céu nublado e com pouca visibilidade.

FALHA MECÂNICA

Com as vertigens provocadas pelo alto-giro dos acontecimentos, que provavelmente levaram à ruptura das hélices do estado, o governador resolveu dar ênfase ao que chama de “agenda positiva”. Para tal, passou a anunciar todos os dias, ações paliativas que apostam ser do agrado da população mais humilde do estado.

As cobranças às atitudes do seu secretariado e pessoas próximas, como os comissionados, também foram reforçadas. Como ainda não sabem de onde surgem tantos problemas, estão tentando identificar se eles estão sendo provocados por falhas na estrutura central de seu motor. Para tal, foi anunciado que ocorreriam, ainda esta semana, mudanças na Saneago e no Detran. Já adiantando o anúncio de que até junho, serão mudados os chefes da Agecom e da Sefaz. Como estandarte de missão positiva, também foi anunciado a quitação de débitos do Ipasgo.

Tentando evitar a queda e alcançar maior altitude neste ano bastante complicado, a CPI da Assembléia de Legislativa de Goiás, pretende ser um contraponto à CPMI do Cachoeira. Mesmo não sabendo onde esta a pane, os governistas acreditam que em momento nenhum, Marconi Perillo, esteja enfrentando um momento complicado e que o estado não está em meio a nenhum tipo de risco. Deixam claro, que Goiás tem um “céu de brigadeiro” para voar rumo ao progresso sem risco nenhum.

Esse texto foi publicado no www.brasil247.com
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/58311/Goi%C3%A1s-um-governo-sem-h%C3%A9lices.htm

terça-feira, 8 de maio de 2012

Leréia: uma nova arma contra o governo




Não é difícil prever situações em Goiás em momentos como este. A lógica encaminha todos os pensamentos a uma só direção. Carlos Alberto Leréria, um nome conhecido nas "terras cearradus", começa a sentir nos ombros, o peso do abandono de seu partido, o PSDB.

Defensor explosivo de todas as ações do governador Marconi Perillo, Leréia era o cara que estava sempre por perto, para assumir publicamente, a responsabilidade de dizer que rosa era azul, caso seu patrão o dissesse. Ele serviu mais como uma espécie de “leão-de-chácara” do que como deputado. Talvez tenha sido mais útil assim para o governo, do que para a população de maneira geral.

Apesar dos anos de atuação na política, Leréria não possui um currículo de grandes serviços ou benefícios a Goiás. Suas ações limitaram-se a aparecer mais em fotos, sobre um dos ombros do governador, bater em desafetos, criticar qualquer um ameaçasse a segurança do intocável tucano e fazer piadinhas de ataque a outros políticos. O deputado, talvez seja o mais caricato deputado do Brasil. Quando afirmo isso, é claro que não estou desmerecendo o igualmente hilário, Túlio Isac, também do PSDB. Mas, respeito o Tiririca.

Mas uma coisa foi bem vista em Leréria nos últimos dias. Ele é um cara amigão! Um parceirão. Pau pra toda obra. Ele é tão amigo, que anunciaram que ele tinha até um cartão de crédito bacaninha, para uso ilimitado, cedido gentilmente por seu amigo de mais de 25 anos, Carlinhos Cachoeira. Cachoeira, o governador paralelo do estado, reconheceu a canina benevolência nas ações do deputado e o agraciou com esta regalia. Coisa simples do tipo que qualquer amigo ofereceria a outro.

Depois de comprovadas suas ligações ao empresário, bateu o pé e foi o único que assumiu desde o início, a proximidade que mantinha com o bicheiro. Esse mérito, ninguém pode retirar de Leréia. Manteve-se firme, foi criticado, acusado e agora se vê em uma sinuca de bico. Mas esteve e está firme em seu posicionamento.

Dono de uma personalidade um tanto quanto afoita, Leréia usou de seus impulsos para defender o governo e seus membros de maneira prontificada. Sempre compôs a linha de frente das guerras palacianas. Mas agora, essa virilidade e prazer para debater e brigar, poderá ser como um forte morteiro que poderá se virar, a qualquer momento, para seus compatriotas.

Disposto a encarar mais um combate, agora em nome próprio, o deputado dá sinais claros de intolerância com relação a possibilidade do pedido de afastamento da legenda ou da sua possível expulsão, “irá soltar o verbo”, como foi publicado no Blog do Noblat, nesta terça-feira.

Segundo a Folha apurou com integrantes do partido, Lereia tem dito internamente que, se o caso dele for conduzido para licença ou expulsão, ele vai "soltar o verbo" para que o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) tenha o mesmo tratamento.


Não restam dúvidas, se seguirmos ao pé da letra as afirmações de Leréria no trecho citado, que ele sabe muita coisa que poderia deixar o governador Marconi Perillo, em uma situação ainda mais complicada. Ele sempre foi considerado como “de dentro da cozinha” do governo.

Imagine então, toda uma mágoa, raiva, desprezo, humilhação e ingratidão que ele possa acreditar que seu partido nutre por ele, canalizada em forma de revelações e acompanhadas de algum tipo de prova, centradas em ataques múltiplos às hordas palacianas. O que seria que Leréria teria a dizer que poderia colocar Marconi Perillo, como merecedor “do mesmo tratamento” que se refere? Agora, imagine se todos os afastados, na tentativa de sacrificar as castas mais baixas para não prejudicar o governo, se virarem contra a cadeira verde, e disparassem seus mísseis. Quais seriam as proporções deste estrago?

Os correligionários talvez não prestaram a atenção a este detalhe. Leréia era um importante general do atual governo. Suas ações, da maneira como caminham as coisas, poderia minar ainda mais o solo da situação e ainda, de quebra, motivar mais rebeldes, a segui-lo. Pelo visto, é neste momento da brincadeira que começam a surgir, as munições “traçantes”, vindas dos aliados de primeira mão. Vulgarmente conhecidas como fogo amigo, neste caso, fogo de futuro “ex-amigo”.  

quarta-feira, 2 de maio de 2012

quinta-feira, 26 de abril de 2012

É cada vez mais difícil defender o Governo


Os últimos dias não têm sido nada fáceis para o governo de Goiás. Marconi Perillo estampa semanalmente os noticiários nacionais, sendo ligado, supostamente, às investigações da Operação Monte Carlo. Até agora seu possível envolvimento, está associado a citações entre acusados e seu nome apenas. Marconi ainda não foi interceptado em nenhuma das várias gravações em que seu nome aparece. Mesmo assim, o governador recebe incontáveis críticas por parte da população e dos seus “desafetos políticos“.

Mesmo com firmeza em sua fala, cheia de adjetivos, que buscam a todo instante desassociar o seu nome das citações, o governador vem sofrendo certa “debandada” de seus defensores. Com saídas fininhas, pra lá de “à francesa”, poucos demonstram ter o mesmo apetite voraz na defesa do chefe de estado. Existe notoriamente, um esvaziamento dos discursos que tentavam blindar o governo de maneira apaixonada e cega.

Esse esvaziamento foi percebido e repreendido pelos líderes da base aliada e seus membros. Passaram a exigir então, uma participação maior da comunicação palaciana nas redes sociais, sob pena de exoneração dos cargos. A medida trouxe poucos sinais de reação por parte dos convocados. Os levantes não passaram de alguns artigos publicados em jornais, que possuem ligações claras de suas finanças ao estado, e poucos posts nas redes sociais.

Todos se baseiam na teoria de que o governador não é alvo de nenhuma investigação oficial. Mas é claro que todos esses boatos, irritariam e muito, qualquer administrador. Mesmo querendo aparentar tranqüilidade, os discursos e as tentativas de provar que não existe ligação alguma entre ele e Cachoeira, são marcados por uma rispidez notória e grande desconforto.

Na intenção de mostrar e tentar convencer que possui o domínio da situação, se ofereceu para ser o primeiro a ser chamado na CPI instaurada para a averiguação das investigações dos negócios ilícitos do bicheiro. Também propôs ser investigado pela Procuradoria Geral da República (PGR).

Os atos são considerados como óbvios por alguns e ato de heroísmo para seus seguidores. Valendo-se do jargão, “quem não deve não teme”, alguns poucos apoiadores, tentam incentivar as suas ações. Se oferecendo para ser um dos primeiros investigados, o governador tenta transmitir a idéia de transparência. Mesmo assim, seus atos não vêem arrastando as multidões de antes.

Mesmo sob as ameaças impostas aos servidores palacianos, apenas alguns mais inusitados, continuam defendendo o governador nas redes sociais. Explodem a todo o momento, áudios que novamente o ligam ao contraventor e seus negócios. Deixando bem claro, que ainda nenhum dos áudios apresentados, consta um diálogo direto entre Marconi e Cachoeira.

Mas o que não consegue ser esclarecido, é a forma insistente que seu nome ou o cargo de “governador”, se fazem presentes nas conversas grampeadas pela Polícia Federal. Será que essa repetição constante, era uma espécie de “affair” de Cachoeira, não correspondido pelo líder de Goiás?

Qualificadas como cretinas, pelo próprio governador, os diálogos que tentam compromete-lo, vem se tornando uma enorme pedra no seu sapato. Mesmo contando, oralmente, com o apoio de seus correligionários do PSDB nacional, o governador terá um árduo trabalho para explicar e provar, que realmente não possui nenhuma ligação com nada disso, que insinuam. Trabalho que passa a ser mais difícil, devido a postura daqueles minguados soldados, que tentam a todo custo, defender o objeto de sua admiração.

A suposta entrega de uma caixa de computador, contendo R$ 500 mil, ainda não confirmados se chegaram ou não ao seu destinatário, foi o último golpe desferido até o momento, contra o Palácio. Isso, poucos dias depois, de mais uma de suas notas oficiais terem repudiado as ações do jornalismo goiano sobre as investigações e cobertura da Monte Carlo. Em uma série de “patinadas” como esta, as Notas Oficiais do Governo, passaram a ser o único material de resposta de um governo cansado e desgastado, utilizada apenas, para desqualificar toda e qualquer ação, desfavorável à sua ideologia. A ideologia de “está tudo bem”.

RODAPÉ

Depois de 51 dias de paralisação dos professores estaduais, o governo chegou a um consenso com a categoria de maneira emergencial. Logo em seguida, estouravam as primeiras suposições de seu envolvimento com Cachoeira.

Após do segundo movimento que buscava desbancar o governador de seu cargo frente ao estado, notas oficiais afirmaram que o movimento não era popular e que não representava a maioria da opinião goiana.

A antecipação do pagamento do serviço público realizado esta semana, juntamente com o ponto facultativo da próxima segunda-feira, pode ser uma tentativa de abrandar um pouco mais as coisas no estado, para tentar oxigenar o diálogo com aliados.









segunda-feira, 23 de abril de 2012

domingo, 22 de abril de 2012

Ilações perigosas. Imprensa na mira




Não causaria nenhum tipo de estranheza se Carlinhos Cachoeira fosse condecorado com alguma ilustre homenagem ou escolhido o homem do ano. Com as denúncias que assolam a política e seus feitores, as revelações que pingam por meio de vazamentos misteriosos, ainda são insuficientes para se obter qualquer tipo de parecer conclusivo ou amplo, da influência de Carlos Augusto de Almeida Ramos, pelos diversos setores por onde expandiu seus negócios. O bicheiro se tornou uma espécie de “dedo podre” após a sua prisão. Os depoimentos amedrontados, com a negativa de qualquer tipo de conhecimento ou ligação com o bicheiro e seus negócios, soam como uma frase ensaiada. Quase um jargão.
Com grande repercussão, as ações do contraventor ocupam o primeiro lugar das redações. Como Cachoeira já deixou mais do que claro que é um homem inteligente, as gravações revelam entre citados, nomes de jornalistas supostamente ligados e beneficiados com as suas atividades. Isso foi um fato que colocou sob suspeita, grande parte dos veículos de comunicação e colocou a imprensa na função de investigadora e de investigada ao mesmo tempo. Sob a suspeita de terem tido seus exemplares “seqüestrados” das bancas, uma revista ganhou notoriedade inesperada, devido a uma manchete sugestiva. O que lhe rendeu mais do que apenas 15 minutos de fama. Atualmente, muitos destes veículos, vêm sofrendo insinuações de que pertencem a um ou outro grupo político, o que estaria promovendo uma série de denuncias, como mísseis lançados entre nações inimigas.
Em Goiás, foi anunciado que o bicheiro também era atuante no ramo das comunicações, onde é atribuída a ele a propriedade de rádios, canais de televisão e mais uma série de “parceiros” do setor. Suas atividades se tornaram notícia, movendo prensas, câmeras e gravadores. Porém, na esperança de desenvolver algum tipo de draga para escoar toda essa água, nomes não identificados que surgem em suas gravações, são ligados por dedução ou suposições pela semelhante grafia, a nomes da imprensa local. O que deflagra ataques aos mesmos e também às empresas em que trabalham. É como se na falta de maiores informações, criam-se fatos, apenas para manterem o debate aceso.
De forma onde não há chances para explicações, jornalistas são envolvidos por uma série de acusações, que provêem em sua maioria, dos próprios colegas, que buscam a qualquer custo se beneficiarem da situação, mesmo na ausência de provas. Descartando princípios básicos de averiguação e checagem das informações, os julgamentos dos que se antecipam à confirmação de fatos, e promovem uma verdadeira caça às bruxas, tem solicitado suas degolas ou incineração. Estes “juízes” transformam em réus, pessoas que sequer se sabe, se tiveram algum tipo de negócio extra com o contraventor ou se beneficiaram, além de apenas obterem a notícia ou informações privilegiadas. Mesmo assim, o que não falta são pessoas que se propõem a serem executores sumários de seus possíveis desafetos e concorrentes.
Em caso recente, a tentativa de denegrir a imagem de dois jornalistas, teve o propósito único de tentar lhes aplicar a pena do descrédito de uma maneira precipitada. As acusações mais pareceram uma intenção de desviar o foco das denúncias que ameaçam posições e cargos. Chegando a sugerir que a empresa de um dos citados, pertencia ao bicheiro. Com uma visão, talvez mais lúcida da atual situação e do agravo das denúncias ainda sem provas, muitos profissionais da própria imprensa e políticos, se empenharam em defender e acreditar na postura de idoneidade dos acusados. Se existem provas que possam realmente comprometer os citados, o coerente seria esperar que elas fossem divulgadas. Evitando assim, prejudicar pessoas, que contra elas nada foi indicado.
Casos assim não são totalmente desconhecidos em Goiás. Sendo um estado tradicional em suas culturas, a tradição de se perseguir jornalistas e afins faz parte de maneira perene, da história de alguns governos. Alguns recentes números já começam a ser revelados, provando que em terras goianas, esta é uma prática mais do que comum. Segundo ventilam aos ouvidos da imprensa, quatro jornalistas já foram demitidos devido a pressões feitas, ao que se entende, por forças maiores. Enquanto isso, a informação goiana parece viver sob a sombra da ditadura, onde jornalistas ainda são afastados de suas funções em estatais, caso não usem as pautas marcadas para divulgarem informações que atendam as exigências de grupos específicos. Como esta crise ainda está em seu começo, essa listagem de nomes que poderão ser colocados na mira de novos ataques, tende a ganhar mais membros, assim como os números de possíveis novos demitidos.
Na atualidade, diante dos fatos que surgem, a imprensa e os veículos de comunicação se dividem em dois grupos: os que escrevem sobre fatos e situações e os que defendem a situação ainda dominante. Produzindo uma nova espécie de ética e seu próprio código de conduta, inventando formas sutis, para questionarem absurdamente, aqueles que não conseguem silenciar ou que não dividem com estes, a mesma visão da realidade dos fatos.
Se o jornalismo se incumbe da função de mostrar o que não querem que seja visto, com certeza, Goiás é um estado que provavelmente, não tenha o direito de ter uma imprensa livre.

Este artigo foi publicado no Jornal brasil247.com 

terça-feira, 17 de abril de 2012

Plano de Governo do Cachoeira

Seria a vez do DEM?



Muito já foi dito sobre as ações que brotam diariamente sobre o caso que envolve o assunto do momento. A Operação Monte Carlo e seus personagens povoam a realidade de todos e alimentam o imaginário de muitos. A cada nova informação, novas teorias são formadas, ataques, defesas e tentativas de se prever o que ainda poderá vir.

Ao entendimento aturdido, principalmente dos goianos, nada mais parece ser forte de mais ou novo de mais, para açoitar os ouvidos ou a compreensão de quem já está se acostumando em ver o país estampado com as notícias de Goiás.

Com a queda de mitos e símbolos, como foi o caso do Senador Demóstenes Torres, juntamente com mais um agrupamento de nomes do meio político, empresários e outros infortunados, as proporções do desastre provocado pelas investigações estão longe de serem totalmente descobertas.

Muitos foram prejudicados de maneira direita e indireta por estas ações, que alguns envolvidos ou citados garantem não terem tido conhecimento, enquanto produziam uma rede mafiosa de interesses, de grupos que já estavam acostumados a viver, lado a lado com o poder. A Monte Carlo, mostrou para todas as classes, muito daquilo que habita longe dos olhos e do conhecimento dos espectadores comuns.

Os adjetivos, não tão amistosos, recebidos pelo senador sem partido, superaram o vocabulário de muitos. O DEM, seu antigo partido, sofreu um forte golpe ao ver um dos seus representantes de maior respaldo, comprometer a história de toda uma legenda que agrega nomes como os de Ronaldo Caiado e do atual vice-governador, José Eliton Jr. Mesmo que qualquer membro afirmasse que era uma ação isolada.

O Democratas, sempre foi detentor de uma tradição austera e determinada, indiferente às críticas de opositores, marcando sua forma de ação pelo idealismo de uma bancada de esquerda. Ronaldo Caiado traçou uma carreira política, galgada entre as bases ruralistas que se mantiveram presentes em seus discursos e ações em prol da categoria. Foi dele a indicação do nome de José Eliton, em 2010, para ocupar a posição de vice de Marconi, na disputa das eleições. Neste momento, Demóstenes e seu partido, eram considerados as “noivinhas” por todas as bases. Todas as três candidaturas de maior visibilidade no estado cobiçaram a possibilidade de ladearem um palanque com os eles. Não apenas pelo tempo de TV, mas também, pela representatividade e o peso que o nome de Demóstenes Torres significava. Até mesmo para o PMDB, antigo adversário, a idéia soava com interessante, apesar de distantes serem as possibilidades.

As gravações das escutas de Cachoeira baixaram a âncora dos possíveis vôos que os Democratas poderiam alçar. Demóstenes conheceu o Tártaro em vida, colocando sua carreira política e visão de homem público, em uma situação agonizante. Com isso, não há como negar o fato, de que a imagem de seu partido, também foi abalada devido a todos estes escândalos. Mesmo sendo forte nas ideologias, o partido é fraco em números de representantes de destaque na Federação. A perda do Senador, removido da legenda, não era uma perda qualquer.

Medidas internas foram tomadas. Caiado praticamente se silenciou junto com seus correligionários. Muito pouco foi dito e a ausência do deputado, além de notada, passou a ser incômoda. No meio da tempestade que passou a inundar imagens tucanas, ainda havia um nome, pouco comentado durante essa tormenta, o nome de José Eliton Jr, que deu seqüência aos compromissos governamentais, e vem cumprindo seus afazeres de maneira discreta e ao que parece eficiente.

Com as denúncias que recaem sobre o governo, não seria demagogia ou irracionalidade, atentar sobre o fato, de que pode estar perto de mais, a possibilidade dele vir a assumir a cadeira verde do estado. Caso continuem as freqüentes acusações e complicações no governo, José Eliton, o moço discreto dos Democratas, que cheguei a comparar em 2010, com uma “espinha de peixe”, que teve de ser engolida por Marconi, por exigência de Caiado para garantir a aliança e o apoio de Demóstenes em sua campanha, poderá passar em breve, a ser o redentor do partido.

Esta poderia ser a “luz no fim do túnel”, para um partido que acabara de perder um forte nome no Senado, mas que agora está perto de poder governar um estado, com as dimensões de Goiás. Não seria então, insolência, caso imaginássemos o rapaz que ocupa sua agenda de maneira pontual e sistêmica, distante dos fatos que corroem as vigas do poder paralelo, estar prestes a assumir a frente do poder estadual. Mas as lembranças políticas nos levam a pensar, em como seria esta convivência, entre Caiado e aqueles que ainda seguiriam a “linha Marconista”.

Detalhes à parte, os Democratas podem ter perdido um pedaço da sua carne, mas não estão distantes da possibilidade de realizarem um enxerto, de igual importância e peso significativo, mostrando que o DEM não estaria morto, como alguns atreveram a anunciar. 

segunda-feira, 16 de abril de 2012

E no dia 21...

Playground de idiotas



A cada dia que passa, fico mais impressionado com a quantidade de despreparo que as pessoas tendem a esconder, enquanto preferem bradar a paixão desenfreada pelo que consideram “salvadores”. Quando digo isso, tirando como exemplo, comportamentos patéticos oriundos de pessoas que isto é o máximo que conseguem fazer.

Campo minado. Este é o nome mais correto para intitular as redes neste momento. A cada passo que se dá, o risco de detonar uma dessas minas é gigantesco. Mas quais seriam essas minas e quais seriam seus agentes detonadores?

Nesta análise, identificar estes dois aspectos é muito fácil. Uma rápida olhada nos posts enviados percebe-se facilmente, os autores de tais atos se manifestando. Vivemos em convívio com pessoas, em espaço confinado, semi-prontas para explodirem. Lembrando que quanto menor este espaço, maior propulsão sua explosão terá.

As verdades individuais de cada grupo tentam se impor a qualquer custo. Sendo obrigatoriamente empurradas goela abaixo daquele que parece ser seu inimigo. É em meio a este cenário de caos, que nos deparamos com as mesmas caraminholas consecutivas. De maneira lasciva e infecciosa, membros de uma gangue começam a desenvolver uma série de patologias desgovernadas.

Quando digo patologias, comparo quase a uma nova listagem de doenças modernas. Alguns neste espaço, sofrem de esquizofrenia, síndrome do pânico, depressão e ansiedade dentre outras. Mas as mais comuns são as mais irritantes.

Pessoas de comportamento duvidoso, de posicionamento bestial, no sentido de mensuração de sua inteligência, sentem-se perseguidos. Isso mesmo! Juram que a perseguição é um outro fato decorrente da INVEJA que terceiros sentem deles. Acho meio ridículo isso. Toda essa paranóia revela o quão limitados são esses seres. Por coincidência ou não, são os mesmos seres que demonstram um comportamento radical pulsante.

Quando aponto esse radicalismo, aponto diretamente às ações de ataque direto que executam, aliados à dissimulação de choreiro quando a coisa vira para seu lado. Este tipo de demente torna-se um mascate de praça pública, esguelando aos prantos, uma perseguição que eles aceitam fazerem, mas que se recusam a receber os efeitos que retornam. Aí sim o mundo cai. São sempre vítimas e tomam essas atitudes, pois confiam de mais nas instituições que acreditam que darão apoio a eles, quando tudo feder.

Acusam uns aos outros de ódio, raiva e cólera. Estes são sentimentos latentes e existentes na rede. Mas são sentimentos destilados por todos os lados de maneira individual ou coletiva. Não aponte o dedo para raiva de alguém, sem ter condições de reconhecer a própria. 

São inconseqüentes e blasfêmicos. Não medem pudores para virgularem nomes santificados às suas ações injustificáveis e clamarem aos céus, proteção quanto aos seus INIMIGOS. Fico sem entender, quais os inimigos um louco poderia ter, além da conseqüência de seus próprios atos?

Sei que muitos irão torcer o nariz com esses apontamentos. Mas não vejo ninguém que tenha a fórmula correta para o uso do Twitter, por exemplo. Mas eis que de uma hora para outra, surge alguém, com um manual pronto desta ferramenta, pregando um evangelho de bom uso do mesmo, que ninguém sabe de onde aquilo surgiu. Tudo bem que até pode ser a mais nobre intenção de tentar moralizar as coisas. Mas o que não dá para engolir é o fato de serem as mesmas pessoas que promovem todo o cabaré do espaço, as mesmas que guardam as tábuas sagradas da moral e doutrina, para o uso pacífico. Mesmo assim, continuam acreditando que todos devem aceitar e acatar, silenciosamente, suas verdades como únicas.

Pressão existe por todos os lados. O que não existe são os corretos. Ilibados dentro de suas próprias condutas e entendimentos, agridem a todos e a todo instante. Perderam o senso do respeito mútuo.

No campo minado, as ordas saem enraivecidas mostrando os dentes, prontos para dilacerarem uns aos outros. Os valores são deixados de lado e os grupos fanáticos partem para as mais escancaradas formas de agressões mútuas.

Quem nunca se sentiu assim no meio de tudo isso? Muitas vezes sou acusado de coisas absurdas, pelo simples fato de não concordar com o brilho que mostram de um deus, ou com a obscuridade que tentam colocar deuses adversários sob elas.

Concluí então que, ou você pensa como querem ou você não é bom. O que você escreve não é bom. Que você é completamente incapaz de raciocinar por meios próprios. Você não pode ter opinião sem que seja pago por alguém. Com isso, você aprende que um é sempre correto e honesto e que os outros são sempre os culpados por todo tipo de desgraça que exista na face da terra e em especial, em Goiás.

Isso aumenta mais a tensão dos nervos dos que degladiam. Mas em meio a essa insanidade total, poucos perceberam uma coisa muito importante. Vejam ao redor de vocês e observem que os maiores pensadores do governo ou da oposição, não estão envolvidos nestas discussões. Os caras bons de caneta, não estão dentro deste campo de guerra, perdendo seu tempo, defendendo quem realmente banca seus intuitos financeiros, dignos de qualquer um que vende sua força de trabalho. O secretariado é um espectro que sonda vez ou outra, respirando o mesmo ar que mortais feridos nesta arena.

Por qual motivo? Pelo simples motivo, de que estes mais preparados sabem das tormentas existentes e das que virão. Enquanto eles se preservam, as castas mais baixas se matam orgulhosamente, acreditando que fazem isso por ideais nobres, em pleno estado de subserviência, jogando qualquer migalha de reputação, caso lhes sobre alguma, no lixo da opinião popular.

Observem isso. Os melhores jornalistas, os secretários ou os próprios mártires defendidos, não estão aqui, para aplaudirem as mais calorosas maneiras de fidelidade que alguns demonstram. Eles estão muito mais ocupados com coisas realmente importantes do que pararem para observar, se seus bichinhos da Tazmânia de estimação, têm carrapatos, pulgas, água ou ração na tigela.

Continuem se matando e julgando os que opinam, de maneira não remunerada, até conseguirem provar a capacidade que possuem, de medir o próprio nível de retardamento político que cultivam. Sejam defensores alienados ou opositores sem argumentos.

Mas por favor, não perturbem tanto os alheios, com suas alucinações de que alguém foi demitido por perseguição e não por conseqüência de seus próprios atos. Não tente usar apelos religiosos, na defesa de um caráter que você não possui. Não tente obrigar ninguém a fazer o que você acha certo ou pensar como você, apenas pelo fato que você acha que é o correto. E jamais acredite que todas as pessoas são incapazes de raciocinar por elas mesmas, sem receber nenhum beneficio por isso. Essas pessoas podem ser bem diferentes de você. E se você se identifica em alguma dessas linhas, tenha certeza que cada uma delas, foi escrita, com a mais certa convicção, que não importa o que você faça, mas jamais irá conseguir tirar de seus ombros, o peso do que puxou para si mesmo.

Matem-se, mutilem-se, destruam-se. Vai ser bom. As redes precisam mesmo desta faxina. Isso fará um bem grandioso, para que as pessoas possam ter de volta o direito de pensarem livremente, sem os riscos de serem patrulhados ou acusados de fazerem parte de alguma gangue. Ah, e isso serve também, para os de inteligência modesta, que apóiam atos insanos na esperança de receberem um abraço, enviado por um apresentador qualquer, em um programa esportivo qualquer. Sintam-se envergonhados pelos seus atos e aprendam se envergonhar pelos dos outros também. 

sábado, 14 de abril de 2012

Quais os efeitos do #FORAMARCONI?

Se existem sinônimos que possam expressar os fatos ocorridos hoje, devido a manifestação do movimento #FORAMARCONI, eu gostaria de arriscar alguns palpites.

Desordeiros, dissimulados, despreparados, arruaceiros, malandros, adesistas, inescrupulosos, oportunistas, hipócritas, despreparados, pilantras, ordinários, demagogos, salafrários, larápios, gatunos, camaleões, parasitas, vermes, bajuladores, pelegos, capachos, baba-ovos, ordenhadores, falcatrueiros, carcarás, ratos, equivocados, etc...etc...etc...

É claro que existem centenas de milhares de outros sinônimos e adjetivações cabíveis, para intitular os iludidos defensores do atual governo, nas redes sociais, nesta manhã. Diante do volume de pessoas, lacaios governistas, iniciaram uma série de ataques infundados nas redes sociais. Atiravam para todos os lados, no simples intuito de desmerecerem os efeitos da marcha organizada por cidadãos goianienses.





 O movimento #FORAMARCONI, pode ter sim sua origem, orientação, repercussão e ideais questionados. Questionados sim, mas jamais qualificados como unicamente político. Apesar do que, este tipo de ação, sempre gera e desperta interesses políticos, principalmente neste período turbulento, em que o estado se encontra.

Segundo a defesa da maioria, a iniciativa foi tomada por movimentos apartidários, que se colocavam contra as posturas que julgavam inapropriadas na atual gestão. Durante um período, não tão longo de divulgação, a causa foi tomando corpo e voz. É lógico que neste meio tempo, muitos visionários políticos, viram a oportunidade de pegarem uma beirinha.

Incoerente seria dizer que não existam interesses políticos acompanhando todo esse alvoroço. Mais incoerente seria dizer, que ninguém sabia disso. Que era um a coisa inadmissível. Todos sabem que coisas assim, acontecem pelo fato de insatisfações, válidas ou não, de grupos de posicionamento e ideais diferentes.





Que seriam vistas bandeiras partidárias ou alguns representantes destes partidos, estava na cara. Mas sob nenhuma circunstância o movimento pode ser desqualificado ou considerado mínimo. Muito menos banalizado. Aliás, o que se viu nas redes, por parte dos que foram obrigados, foram ações quase que terroristas, por parte de apaixonados, que tentam mostrar serviço a qualquer custo. Sem nenhum pudor ou critério de senso do ridículo.

Há tempos venho alertando, que uma das maiores barreiras que este governo enfrenta, é justamente, a equipe que lhe cerca. São por estas ações irresponsáveis, que muitos são obrigados a ler em suas TL’s, coisas escritas por pessoas, igualmente irresponsáveis, como esta:


Consciência é uma coisa que algumas pessoas possuem. Não posso afirmar que o autor da declaração, na imagem anterior, seja detentor de tal virtude. Uma observação, que  facilmente pode ser feita diante da série, sem cálculos, das inúmeras críticas que o cidadão apresentado acima, coleciona em seu histórico de defesas questionáveis. Sem aprofundar na resolução deste mistério, o mesmo propôs, quase de imediato, a tentar reverter o que milhares de seguidores leram. Então, em mais uma tentativa frustrada, eis sua explicação:


Bom, que as interpretações fiquem a critério de cada um dos leitores. Não debaterei o óbvio aqui. Mas analiso que ações do tipo, sirvam apenas, para prejudicar um governo que apresenta sinais claros de desgastes.

Também é notório, que o número de participantes presentes no movimento, é bem inferior ao número de inscritos nos canais WEB e que haviam confirmado sua presença. Mas isso não significa que não tenha surtido efeito e muito menos, não tenha alcançado seu objetivo.

Admito que este simples blogueiro havia questionado, e muito, a possível falta de foco nas justificativas de se realizar este manifesto. Mas diante do caminhar da carruagem, confidenciei a amigos em um café que freqüento, no dia de ontem, que era possível o ato ganhar mais adeptos, durante o seu acontecimento, provocado pela repercussão da narrativa dos fatos na rede.





Hoje é possível mensurar, o poder que vem sido alcançado com esta nova ferramenta de comunicação. Legitimamente popular ou não, o #FORAMARCONI, ao meu ver, alcançou seu objetivo. Tolice seria dizer que ele não mexeu com as estruturas palacianas e que não tenha colocado o governo em uma saia pra lá de apertada.

A coisa apertou tanto, que servidores de altos cargos estaduais, como da AGECOM, se apressaram em unir forças aos seus remanescentes e resistentes aliados, para juntos, tentarem minimizar estes efeitos.

Questiono se isso também tenha sido uma ação inteligente. Mas talvez, eu não tenha esse direito. Por não me considerar esquerdista e muito menos da situação, creio que minha opinião não venha a ter algum valor para este debate. Mas, como o blog é meu, e ninguém é obrigado a lê-lo, posso escrever o que me dá vontade. E neste momento, estou com uma tremenda vontade de falar, que esse papo de apresentação dos Bombeiros e a grande quantidade de policiais na Praça Cívica, não dá pra engolir.

Até fiquei surpreso com o anúncio destas “apresentações”, apenas um dia antes da movimentação na praça. Ou seja, não houve uma cobertura descente, sobre uma ação dessa importância para a população. Ontem, sexta-feira 13, é que eu ouvi algo muito superficial. Mesmo assim, soou como um prelúdio de uma estratégia mal elaborada por parte da situação. Manifestantes reclamaram, que o acesso ao interior da praça, foi prejudicado por este motivo, e que a presença de tanto policiamento, era uma tentativa de repressão velada por parte do governador.


Acompanhando as informações de manifestantes e as críticas dos defensores, ao que parece, o movimento foi engrossado, pela união de populares que se mostraram favoráveis às ações dos que haviam sido chamados de marginais, por pessoas de caráter e histórico questionáveis. 






Mesmo sendo algo incomum, e ainda questiono os motivos, o povo mostrou um forte poder opinativo, com auxilio ou não de partidos políticos. Também não entrarei neste mérito. Segundo algumas informações que obtive, acompanhando as redes, está marcado um novo manifesto para o dia 21, apenas um dia após o prazo dado pelos professores, para resolverem suas diferenças sobre questões monetárias da categoria.

Caso aconteça mesmo esta segunda movimentação, antecipo o palpite, mesmo tendo queimado a minha língua sobre a primeira, que a próxima poderá causar um barulho ainda maior. Os palacianos e serviçais sabem disso. E não me assustarei, caso veja, daqui pra frente, ataques contra o governo municipal, por parte de estaduais, para tentarem antecipadamente, sabotar o próximo manifesto.

Mesmo não tendo a devida atenção da mídia local, por enquanto, devido suas proporções, o #FORAMARCONI serviu para provar que quando existe uma união, as cosias podem acontecer. Mesmo que não venha a passar de um alerta. Mas tenho certeza que esse alerta também serve, para fazer o estado repensar em algumas ações. Este pode ter sido apenas um trovão de uma forte tempestade que se aproxima.

As provas estão aí. Foi impossível dar os créditos a tantas imagens que consegui capturar dos “retuítes” na rede. Mas como tento me basear por fatos, e diante do tamanho descrédito que as pessoas pró-governo faziam dos manifestantes, perguntei se algum deles possuía uma foto que pudesse comprovar que a movimentação era realmente pífia. Mas a única imagem que consegui para ilustrar a resposta de minha pergunta aos apaixonados políticos, foi esta: